Pular para o conteúdo principal

CTC-RJ

Essa maquete, publicada em anúncio do portal Mercado Livre, corresponde a uma licença poética com um carro da Mercedes-Benz O-362 da Companhia de Transportes Coletivos do Rio de Janeiro (CTC-RJ), que tinha pintura azul com pára-choques e alguns detalhes em branco, com o desenho de fundo branco com faixas vermelha e azul.

O erro, além da colocação um tanto tosca do nome da empresa e número do carro - que, mesmo assim, se deixa passar - , é creditar a linha como "125 Copacabana", já que 125 é o código da linha de Central a General Osório, sob responsabilidade da Viação Verdun na época.

O certo seria creditar a bandeira como 416 Forte, correspondente ao ramal Usina X Forte, que a CTC circulou até meados da década de 1980. Fora esse detalhe, a maquete é muito interessante e bonita. Seu responsável, em que pese os senões, está de parabéns.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÃO PAULO: VALE DO ANHANGABAÚ, 1953

A foto que vemos é um belo registro da célebre fotógrafa Alice Brill, mostrando filas enormes de espera por ônibus no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, no ano de 1953. As fotos da autora fazem parte do acervo preservado pelo Instituto Moreira Salles.

SÃO PAULO: PRAÇA CLÓVIS BEVILÁQUA, 1957

Mais uma preciosidade da São Paulo Antiga é a Praça Clóvis Bevilaqua, no bairro da Sé, na capital paulista, no ano de 1957, com seus muitos ônibus fazendo ponto no terminal localizado na área.


AUTOVIÁRIA SANTA LUZIA

Esta foto, originalmente publicada no Jornal Primeira Página e do acervo do pesquisador Gildásio Vieira Freitas, e também enviada por mim ao portal Lexicar (sobre carrocerias de ônibus e outros veículos automotores), mostra um ônibus urbano da CAIO de 1955, da frota da empresa Autoviária Santa Luzia, de Salvador, Bahia.

Consta-se que esta foto, provavelmente de 1959, corresponde a um dos primeiros serviços de linhas distantes que, pouco depois, seriam a ligação da área desmembrada, hoje município de Lauro de Freitas, a Salvador. Ao que parece, é um ramal Portão X Calçada que hoje não existe mais, devido a tantas alterações de percursos causadas pela abertura de novas avenidas.